Proibido por lei, Lula pede voto antes do período oficial de campanha em evento no Piauí

Na última quarta-feira, 3, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de um evento com aliados políticos em Teresina, no Piauí. Ele discursou ao lado do ex-governador do Estado e candidato ao Senado Federal Wellington Dias (PT) e do candidato ao governo estadual Rafael Fonteles (PT). Ao promover o nome de Fonteles ao governo, Lula pediu voto para ele e seus aliados, o que é proibido antes do início oficial da campanha eleitoral, programada para o dia 16 de agosto. “Queria pedir para vocês, cada mulher ou cada homem do Piauí que tem disposição de votar em mim que tem disposição de votar no Wellington, eu queria pedir para vocês que no dia 2 de outubro vote em mim, vote no Wellington, mas primeiro vote no Rafael, porque ele vai cuidar do povo do Piauí.

Em seu discurso, Lula ainda prometeu que, caso eleito, vai aumentar o salário mínimo todos os anos. “Eles têm que saber que nós vamos garantir a refeição, o emprego, o aumento de salário mínimo, que vai ter que aumentar todo ano”, declarou. Lula ainda criticou o atual presidente da República por aprovar novos programas de transferência de rendas próximo ao período eleitoral. “Ele vai dar dinheiro para taxista, para caminhoneiro, porque ele acha que o povo é gado, que o povo vai atrás do seu dono quando dá sal. E nós temos que dizer para o Bolsonaro: ‘Coloque o dinheiro na nossa conta, que nós vamos pegar esse dinheiro e comprar o que comer, o que vestir, comprar o que nós precisamos. Mas se ele pensa que esse dinheiro vai comprar voto, no dia 2 de outubro a gente tem que dar uma banana para o Bolsonaro, para que ele saiba que ele vai cair fora da governança”, declarou.

Fonte: Jovem Pan

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.