Se 50% forem doadas para o SUS 64% diz que vai acelerar vacinação

Para 75% das pessoas, a compra de vacinas contra a covid-19 por empresas é considerada importante. O percentual é atingido considerando que 50% das doses adquiridas serão doadas para o SUS (Sistema Único de Saúde). Esse é o resultado de uma pesquisa de opinião realizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). Eis a íntegra (2 MB).

Realizada em parceria com o Instituto FSB Pesquisa, a sondagem contou com entrevistas de 2.010 pessoas com idades a partir de 16 anos. As entrevistas foram realizadas por telefone, de 16 a 20 de abril, em todos os Estados brasileiros. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%.

A pesquisa ouviu principalmente moradores do Sudeste (são 43% da amostra), enquanto moradores do Norte e Centro Oeste, juntos, representam apenas 16% dos entrevistados. O Sul representa 15% dos participantes, enquanto o Nordeste 27%.

Entre os 75% que afirmam que a compra de vacinas por empresas tem importância, 43% afirmam que consideram a iniciativa muito importante e 32% importante. Já aqueles que consideram a compra pouco ou nada importante são 18%.

A pergunta é realizada com a afirmação de que 50% das doses adquiridas pelas empresas serão doadas para o SUS.

A pesquisa também levou em consideração a percepção das pessoas em relação aos impactos dessa compra para a campanha de vacinação contra a covid-19. Para 64% dos entrevistados, a compra por empresas, com doação de 50% para o SUS, irá agilizar a vacinação.

Já para 23%, a iniciativa pode atrasar a vacinação contra o coronavírus. Para 8%, não irá fazer nenhuma diferença.

A compra de vacinas por empresas foi aprovada pela Câmara dos Deputados no início do mês de abril. O PL (projeto de lei) 948 de 2021 (íntegra – 739 KB) permite que pessoas jurídicas de direito privado comprem substâncias aprovadas pela Anvisa “ou por qualquer autoridade sanitária estrangeira reconhecida e certificada pela Organização Mundial da Saúde”.

Apesar de aprovado na Câmara, o projeto ainda não foi analisado pelo Senado. Ainda em abril, os senadores decidiram deixar essa discussão para depois por causa de controvérsias em relação ao texto. Uma das mudanças foi que a doação das doses, caso os grupos prioritários ainda não tenham sido vacinados, era de 100% e passou a 50%.

Fonte: Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *