Novo ministro do Meio Ambiente era da equipe Salles e próximo ao agronegócio

O novo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Alvaro Pereira Leite, passou a trabalhar para o governo federal em 2019. Naquele ano, começou a ocupar cargos no Ministério do Meio Ambiente de Ricardo Salles, a quem substituiu nesta 4ª feira (23.jun.2021). A troca foi publicada no DOU (Diário Oficial da União) nesta tarde.

Ele ocupava o cargo de secretário da Amazônia e Serviços Ambientais desde abril de 2020. Antes, a partir de julho de 2019, foi diretor do Departamento de Florestas da Secretaria de Florestas e Desenvolvimento Sustentável da pasta.

Fontes próximas à pauta ambiental ouvidas pelo Poder360 afirmaram que sua gestão deverá ser parecida com a de Salles. O presidente da República, Jair Bolsonaro, demonstrava satisfação com o trabalho do ex-ministro.

“Ele é uma pessoa ligado a bioeconomia. Conhece bem o mercado de carbono e concessões florestais. Pode fazer um bom trabalho. Não sei se terá força”, declarou o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP), coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista.

Joaquim Alvaro, segundo o currículo disponível no site do ministério, é formado em administração de empresas pela Universidade de Marília (SP) de 1991 a 1995. O documento também registra MBA Executivo no Insper, de 2004 a 2006.

O novo ministro tem proximidade com o agronegócio. Seu currículo tem um vínculo de 23 anos com a Sociedade Rural Brasileira. Foi conselheiro de 1996 até sua entrada no Ministério do Meio Ambiente, em 2019.

Também tem experiências profissionais ligadas à produção de café. Ainda, segundo o currículo, trabalhou com manejo florestal na MRPL Consultoria. Leia a íntegra do currículo (123 KB).

Eis o vídeo do pedido de demissão de Ricardo Salles (5min e 24seg):

Eu vim anunciar que apresentei ao presidente da República [Jair Bolsonaro] e ele já aceitou e foi publicado o meu pedido de exoneração do cargo de ministro de Estado do Meio Ambiente. Cargo esse que muito me honrou o convite e eu desempenhei da melhor forma possível ao longo de dois ano e meio“, disse Salles.

Salles investigado

No dia 19 de maio, a Polícia Federal deflagrou busca e apreensão em endereços ligados a Salles e ao Ministério. A ação teve como objetivo, segundo a PF, apurar crimes corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando. Os delitos teriam sido praticados por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.

A operação, batizada de Akuanduba, foi deflagrada por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal). Eis a decisão (636 kb).

A decisão judicial ainda determinou a quebra dos sigilos fiscal e bancário de Salles. A casa do ministro do Meio Ambiente, na região central de São Paulo, o imóvel funcional que ele ocupa em Brasília e um gabinete da pasta no Pará estão entre os endereços visitados pelos agentes da PF. Somente 19 dias depois da operação, Salles entregou o seu celular à PF.

Eu vim anunciar que apresentei ao presidente da República [Jair Bolsonaro] e ele já aceitou e foi publicado o meu pedido de exoneração do cargo de ministro de Estado do Meio Ambiente. Cargo esse que muito me honrou o convite e eu desempenhei da melhor forma possível ao longo de dois ano e meio“, declarou Salles no Palácio do Planalto quando anunciou sua saída.

Eu entendo que o Brasil, ao longo deste ano e no ano que vem, na inserção internacional e também na agenda nacional, precisa ter uma união muito forte de interesses e de anseios e de esforços. E para que isso se faça da maneira mais serena possível, apresentei ao senhor presidente o meu pedido de exoneração, que foi atendido”, disse. “Eu serei substituído pelo secretário Joaquim Álvaro Pereira Leite, que também tem muita experiência e conhece todos esses assuntos”, afirmou.

Salles sugere “ir passando a boiada”

Ricardo Salles sugeriu em reunião ministerial em 22 de abril de 2020 “ir passando a boiada” para mudar regras durante pandemia.

Então pra isso precisa ter um esforço nosso aqui enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de covid, e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas“.

vídeo da reunião foi liberado em 22 de maio de 2020 pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello. A gravação é o principal elemento do inquérito que apura no Supremo suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, conforme relatou o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

Eis abaixo o momento da fala de Salles (3min15seg):

Fonte: Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *