Dia de paralisação tem apoio de 50 grupos e atos em Brasília

Ao menos 50 grupos de servidores públicos federais suspendem os trabalhos ou apoiam o movimento de paralisação organizado para esta 3ª feira (18.jan.2021). Pedem reajustes salariais. Haverá 2 atos em Brasília, a capital do país:

  • às 10h – em frente ao Banco Central;
  • às 14h – no Ministério da Economia.

Os servidores dizem que este é apenas o início da mobilização. Pretendem fazer mais 2 dias de protesto em janeiro e ameaçam entrar em greve em fevereiro, caso não haja negociação com o governo.

Sindicatos de outros Poderes integram o movimento. Pressionam para que o Judiciário e o Legislativo concedam reajustes se o governo federal aumentar para os servidores do Executivo.

O presidente do Fonacate (Fórum Nacional das Carreiras Típicas de Estado), Rudinei Marques, diz que 20 grupos ligados ao Fórum integram o movimento. Há outros 30 do Fonasefe (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais).

O Fonasefe aproveitará a ocasião para entregar um ofício ao ministro da Economia, Paulo Guedes, pedindo a negociação salarial. Se o pedido não tiver resposta, os servidores ameaçam entrar em greve em fevereiro.

“É um dia decisivo na luta do funcionalismo por recomposição salarial. Acreditamos que serão atos expressivos. E, com isso, abrir um canal de diálogo com o governo, o que ainda não teve”, afirmou Rudinei ao Poder360.

Agora, o presidente Jair Bolsonaro e sua equipe devem tentar conter a insatisfação entre os servidores. Se o movimento for fraco, tudo fica mais fácil. Há muita divisão entre eles.

Grupos ligados às polícias não integram o movimento. Motivo: Bolsonaro fechou acordo para reestruturar carreiras na Polícia Federal e outros depois que a Lei Orçamentária for sancionada (depois de 21 de janeiro).

Na imagem, o presidente em formação de curso de agente de Polícia Federal

O Sindifisco, a Unafisco e o Sindireceita não vão aderir à paralisação. Dizem que não querem reajuste como os demais servidores, apenas regulamentar o bônus de eficiência esperado desde 2016.

Apesar de não participarem dos protestos de hoje, os auditores-fiscais podem aumentar a pressão sob o governo. Os próximos passos do movimento, que já tem entrega de cargos e operação–padrão, serão discutidos nos próximos dias.

Fonte: Poder360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *