19 deputados da oposição votaram a favor da reforma da Previdência

Dezenove deputados de partidos da oposição votaram a favor da reforma da Previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro. Entre os 379 votos pela aprovação do texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6 de 2019, estão integrantes do PDT e do PSB.

Os deputados ainda discutem destaques ao parecer do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), que podem conceder benefícios a categorias profissionais, como professores e policiais, além de um destaque em favor da bancada feminina.

Maior partido da oposição, com 54 deputados, o PT fechou questão contra as mudanças nas regras de aposentadoria em março e todos seguiram essa orientação. Na época, a presidente da sigla, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), chamou a proposta de “grande mentira de Bolsonaro”. A resolução contra a reforma foi aprovada por unanimidade na reunião da Executiva. 

Com 32 deputados, o PSB também decidiu que parlamentares que votassem a favor da PEC poderiam sofrer punições, incluindo expulsão. A decisão foi tomada por maioria pelo diretório nacional da sigla nesta segunda-feira (8). Em nota, o partido afirmou que a proposta irá aumentar a desigualdade social e “imporá medidas cruéis aos trabalhadores mais sofridos e às classes médias de nosso País”.

Ainda assim, 11 deputados apoiaram as mudanças nas regras de aposentadoria. O deputado Felipe Figoni (PSB-ES) já havia anunciado sua posição. ”Esse texto foi construído a muitas mãos. Ele ficou muito melhor do que o texto original enviado pelo governo. Portanto, ele obviamente tem nosso apoio”, afirmou no plenário na última quinta-feira (4), após aprovação do relatório na comissão especial.

Veja o nosso discurso na Câmara dos Deputados sobre a aprovação do texto base da reforma da Previdência pic.twitter.com/xTJGwbtjVb— Felipe Rigoni (@rigoni_felipe) July 5, 2019

No PSB, também votaram a favor da reforma Átila Lira (PSB-PI), Emidinho Madeira (PSB-MG), Felipe Carreras (PSB-PE), Jefferson Campos (PSB-SP), Liziane Bayer (PSB-RS), Luiz Flávio Gomes (PSB-SP), Rodrigo Agostinho (PSB-SP), Rodrigo Coelho (PSB-SC), Rosana Valle (PSB-SP) e Ted Conti (PSB-ES).

O PDT, que em 2018 lançou Ciro Gomes como candidato ao Palácio do Planalto, também orientou seus 27 deputados seus integrantes a rechaçar a PEC. Nesta terça-feira (9), Ciro defendeu, no Twitter, a expulsão de quem cedesse ao governo. 

A tentativa de compra de votos por dinheiro de emendas ou ofertas mentirosas a estados e municípios ronda, neste momento, até os partidos de oposição. Defenderei que o PDT expulse aqueles que votarem contra o povo nesta reforma de previdência elitista.— Ciro Gomes (@cirogomes) July 9, 2019

De acordo com o ex-presidenciável, “a tentativa de compra de votos por dinheiro de emendas ou ofertas mentirosas a estados e municípios ronda, neste momento, até os partidos de oposição”. O Executivo acelerou em julho a liberação de emendas parlamentares, em troca de votos a favor da reforma.

O partido fechou questão, em convenção realizada em março. A penalidade do processo disciplinar varia de advertência a desligamento.

Apesar da chance de ser punida, a deputada Tabata Amaral (PDT-SP), contrariou a legenda. “É um voto que segue minhas convicções e tudo que estudei até aqui (…) Ser de esquerda não pode significar ser contra um projeto que de fato pode tornar o Brasil mais inclusivo e desenvolvido”, afirmou. “O sim que eu digo à reforma não é a o governo nem o não a decisões partidárias”, completou. 

Meu voto pela Reforma da Previdência não foi vendido, é por convicção. A bancada da educação continua lutando pela manutenção da aposentadoria especial dos professores. Conheça as razões para a minha decisão: https://t.co/YTT1QnUOcv#VamosJuntospic.twitter.com/SawOy6E37x— Tabata Amaral (@tabataamaralsp) July 10, 2019

Em entrevista ao HuffPost Brasil em abril, a deputada defendeu a necessidade de mudanças na Previdência, mas com preservação de direitos de categorias mais vulneráveis.

Outros 7 correligionários acompanharam a parlamentar: Alex Santana (PDT-BA), Flávio Nogueira (PDT-PI), Gil Cutrim (PDT-MA), Jesus Sérgio (PDT-AC), Marlon Santos (PDT-RS), Silvia Cristina (PDT-RO) e Subtenente Gonzaga (PDT-MG).

Com 10 deputados, o PSol também fechou questão contra a reforma, assim como o PCdoB, que tem 8 integrantes na Câmara. Ambas bancadas votaram contra as mudanças nas regras de aposentadoria.

Única integrante da Rede, a deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), também votou contra a PEC. Candidata do partido ao Planalto em 2018, Marina Silva já havia criticado a reforma, especialmente devido à adoção da idade mínima e dos 40 anos de contribuição no INSS para obter o maior valor do benefício.

″Defendo, desde 2010, a necessidade de uma reforma da Previdência. O desafio de enfrentar o equilíbrio fiscal é indiscutível, mas obviamente isso não pode ser feito às custas dos mais vulneráveis e da justiça social”, disse após a apresentação da PEC, em fevereiro.

O que muda com a reforma da Previdência

A PEC aprovada em primeiro turno no plenário da Câmara ainda precisa ser votada em segundo turno antes de seguir para o Senado.

De acordo com o texto aprovado, a idade mínima para aposentadoria nos setores públicos e privados passar a ser de 65 anos para homens e 62 para as mulheres. No caso de professores, ficou estabelecido mínimo de 60 anos para homens e 57 para mulheres.

O tempo de contribuição mínimo é de 20 anos para homens e 15 para mulheres no setor privado. No público, o mínimo é de 25 anos para ambos. 

O texto também facilita alterações futuras nas regras da aposentadoria ao tirar da Constituição alguns dispositivos e permitir que elas sejam feitas por projetos de lei, que têm tramitação mais ágil. 

Quem já começou a contribuir para aposentadoria, seja no setor público ou privado, passará pela regra de transição. Isso significa que a idade mínima vai subir aos poucos, começa com 61 anos para homens e 56 para as mulheres. O ajuste será feito com acréscimo anual de seis meses.

A expectativa do Executivo com a reforma era economizar R$ 1,236 trilhão em dez anos. Após modificações, o substitutivo reduziu o montante para R$ 987,5 bilhões no mesmo período. O objetivo é conter o déficit previdenciário. Em 2018, o rombo foi de R$ 264,4 bilhões, considerando o INSS, servidores públicos e militares. 

As mudanças para as Forças Armadas, contudo, ficaram de fora da PEC. São conteúdo de um projeto de lei complementar, que será analisado pela Câmara no segundo semestre.

(Por MSN)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *