Greve geral de 14 de junho tem apoio de 71% dos caminhoneiros

A categoria que exerce um trabalho árduo, difícil de ser executado, que acarreta uma série de prejuízos à saúde, como problemas de coluna, e à vida emocional, pelos longos períodos de solidão e distância da família, e pouco valorizada economicamente, demonstra desencanto com Bolsonaro. De acordo com a FPA, entre os entrevistados que afirmaram ter votado no presidente no segundo turno, 12,5% já o avaliam como ruim e péssimo. E 34,3% avaliam como regular.

Divergência
Segundo reportagem do Brasil de Fato publicada nesta sexta (7), as lideranças da categoria divergem sobre a adesão à greve geral do próximo dia 14. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), que representa 700 mil caminhoneiros, anunciou adesão à paralisação.

A decisão foi criticada por uma das lideranças que participou da greve da categoria no ano passado. “Não haverá paralisação. Isso é coisa de gente irresponsável no meio de uma negociação em que o governo tem cumprido sua parte; esse anúncio é coisa de pessoas que são contra o crescimento do Brasil e do presidente. Mas garanto: não haverá paralisação”, afirmou Wanderley Dedeco, identificado com a greve do ano passado, organizada principalmente por intermédio do WhatsApp.

Perfil
Dos 648 entrevistados, havia seis mulheres e 642 homens. Do total, 49,7% trabalham para empresa e frotas, 42,6% são autônomos, 4,7% cooperativados e 3% empregadores com dois ou mais funcionários. De todos os participantes, 41,6% se autodeclararam brancos, 39,2% pardos, 15,4 pretos, 1,7% amarelos e 0,9% se reconheceram como indígenas.

As entrevistas foram feitas em locais de grande concentração de motoristas de caminhão, como postos de combustíveis, áreas portuárias e oficinas mecânicas especializadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *